quarta-feira, 26 de maio de 2010

Nada, nada, passou. Já era, você perdeu, talvez você ainda a tenha de volta. De volta? Como se nunca a teve? Impossível. Na verdade, ela quer que tudo se f#d@.

Um comentário:

Júnior de Paiva / Dish disse...

Só damos valor ao que se esvai pelas mãos e escapa pelos dedos em forma de areia, não é?
Belas palavras!
Um bota pra fora bem dado!
Gostei!