quarta-feira, 24 de novembro de 2010

voa, voa, voa para bem longe nos olhos do meu amor

É quando a boca bebe
O líquido do mar
E fica embriagada
Toda abandonada
Como se calada
Rouca de falar

Nenhum comentário: